Aceitação x gravidez

À partir do primeiro momento que uma mulher descobre a gravidez, vem na cabeça uma série de perguntas sendo a primeira delas, o famoso “E agora?”.

Junto com todas as perguntas, vem uma grande certeza: é hora de aceitar.

Quando a gente tá acostumada com um estilo de vida livre, movimentado, cheio de atividades e principalmente permeado pelo esporte, a aceitação se torna mais longa e mais difícil.

Sempre fui tigrona, desmetida e saía fazendo as coisas sem me entregar muito às limitações. No entanto, hoje essa opção não existe mais, e mesmo quando dá vontade de ser tigrona o corpo não responde mais.

Posso contar nos dedos de uma mão o número de vezes que corri nesta gravidez: 4

No início não corri porque tive um problema de descolamento, e agora não estou correndo porque, depois de algumas tentativas, cheguei à conclusão de que a corrida não estava me trazendo prazer nem nada de bom neste momento.

Independente de a mulher ter ou não um histórico de atividades físicas, o corpo funciona de maneira totalmente diferente quando se está grávida. Por causa das alterações hormonais e anatômicas que sofremos, as articulações e ligamentos se tornam mais elásticos e instáveis para preparar o corpo para o nascimento do bebê.

Nas vezes em que corri não senti dor, mas foi esquisito. A perna parecia boba e o barrigão me fez perder um pouco do equilíbrio, além disso não senti aquela felicidade maluca que a gente sente pós treino.

Sem sofrimento, resolvi não insistir e aceitar.

Tenho muita saudade das minhas manhãs solitárias na USP e de como meu dia era depois de correr. Saudade do gosto de sangue na boca, dos longos intermináveis em manhãs nubladas de sábado. Saudade de buscar recordes nas provas, e muita muita saudade de ter onde aliviar o stress.

Não sou o tipo de mulher que CURTE a gravidez, na verdade acho tudo bem chato e cansativo. Tive a Malu com 21 anos e terei no Nicolas com 34, dois momentos completamente diferentes da vida.

Hoje sei controlar minhas emoções e não sofrer, aos 21 não sabia. Toda aquele descontrole só me prejudicou, por causa dele me joguei numa cesariana totalmente desnecessária e sofri que nem o cão no pós-parto.

Certamente, depois que parir vou desobedecer as ordens e voltar para os treinos antes da hora. Mas hoje, apesar da saudade que sinto dessa vida deliciosa da corrida, estou ok com as limitações que a gravidez trouxe.

Já vou avisando: talvez esse seja um blog só para mães nos próximos meses.

 

 

 

 

 

1 comentário Adicione o seu

  1. Paula disse:

    Oba amei o blog só para mães! Voltei a correr nos meus dois filhos após 45dias das cesarianas, tive com 32 e 34 anos! Os peitos parceriam que produziam mais leite durante a corrida! Vc vai voltar rapidinho vai ser o momento, deixar o papai se virar com o bebê que a mamãe precisa de um momento só dela.

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.