Organizada sim, noiada jamais

Será que existe um modelo ideal de programação para nos mantermos firmes na rotina da corrida?

Existe sim. O seu!

Uma coisa é certa: não existe evolução sem constância. Quando digo constância, não quero dizer correr 2 vezes na semana. Sinto informar, mas dificilmente alguém evolui e melhora tempo correndo tão pouco. Constância é persistência, insistência, obstinação.

É treinar com regularidade, pelo menos dia sim dia não – o que funciona muito bem pra mim em meses que não estou treinando para uma prova específica, como agora.

Já acreditei que regularidade fosse sinônimo de correr todo dia ou pelo menos 6x na semana. Hoje não penso mais assim, acho que correr todo dia é para momentos pontuais de um ciclo pra uma maratona específica, onde procuro acumular volume (meu treinador Wanderlei Oliveira faz isso distribuindo os kms na semana, ao invés apostar todas as fichas no longo de sábado)

No momento, estou no período de preparação básica, focada nos treinos de velocidade e rodagens não muito longas e aproveito esse momento para dar uma acelerada na musculação.

Não vejo propósito em fazer agora treinos muito acima de 10k, prefiro deixar isso para perto do início do ciclo da Maratona de NYC.

Já tenho uma vida super corrida e cheia de tarefas, então também uso esse período de base para preparar minha cabeça, sem sobrecarregá-la demais e chegar nos meses pesados 100% preparada (falei disso no outro post).

Minha semana

Mesmo não estando em preparação específica, tudo isso que envolve minha rotina de atividade física demanda tempo, disciplina e programação.

Organização – O que faço para dar conta de tudo, primeiro é já começar a semana sabendo o que vou fazer em cada horário de cada dia, claro, fora das 9h que fico na empresa. Posto isso, vou encaixando os assuntos e trabalhando minha cabeça, por exemplo: essa semana me propús a puxar ferro sempre na hora do almoço (tem uma Smart Fit perto do trabalho) e a correr 1 dia de noite. Semana que vem pode ser que eu me proponha a fazer musculação depois do trabalho. Acho que não precisa se apegar ao panorama geral da semana, mas conhecê-lo ajuda muito na organização.

Flexibilidade – Não necessariamente sigo a mesmo a mesma coisa toda semana, até porque aposto em pequenas mudanças como exercício de flexibilidade, pra não me acostumar com uma rotina e não conseguir assimilar quando preciso mudar. Nesta semana, por exemplo: corro de manhã, antes de levar meu filho pra escola e vir trabalhar e puxo ferro na hora do almoço, numa Smart Fit perto da firma. (treino 45 minutos e almoço em 20). Outra coisa que também faço para exercitar essa habilidade é de vez em quando treinar em locais diferentes, que caibam nos meus itinerários.

Otimização do tempo – Tudo que puder fazer para ganhar tempo eu faço. Com coisas pequenas a ganho minutos preciosos que aliviam a perturbação de ter que fazer tudo correndo:

  • Lavo o cabelo antes de levar o Nicolas p escola e seco depois (uso secador todo dia, e com o cabelo mais seco é fácil finalizar);
  • Hidrato o cabelo enquanto passo lâmina na perna (quem nunca?);
  • Não guardo a marmita na geladeira do trabalho. Assim, posso almoçar sem depender de esquentar (geralmente como no carro);
  • Tento escolher um tênis que dê para treinar e trabalhar sem ficar bagaceira;
  • Tento escolher um top que dê para treinar e trabalhar (não suo muito na musculação por isso não tomo banho depois);
  • Não uso maquiagem quando treino no almoço, para não ter mais trabalho na hora de levantar acampamento;
  • Quando vou correr depois do trabalho (o que é raro, mas acontece) me troco no banheiro da firma, pois além de tudo ajuda a não desistir.

Sono em dia – Depois que o Nicolas nasceu foram raras as noites que dormimos por 8h seguidas e até hoje ele acorda de madrugada, então meu organismo se acostumou a ficar bem com noite quebrada e menos horas de sono (durmo umas 6h). Pra isso acontecer, é preciso dormir e acordar no mesmo horário todo dia e é preciso muita disciplina para deitar antes das 22h. Não pego no celular quando deito, costumo deitar antes do marido (menos nos dias que a gente marca de transar kkk) e apago. A mágica só acontece quando a gente dorme, isso é a base de tudo por isso sono é uma coisa que não negocio.

Alimentação – Tem 2 anos (idade do meu filho) que comecei a fazer Low Carb / Paleo / Cetogênica e Jejum. De uma maneira geral, estou muito bem adaptada à esse estilo de vida sem comida lixo processada e isso facilita muito meu dia a dia das marmitas. A maior vantagem da Low Carb é que não existe fome o tempo inteiro, então não preciso noiar em comida. Só me importo mesmo com as refeições principais: almoço e jantar. Faço jejum diariamente das 20h às 12h e nessa janela de 8h comendo costumo almoçar, jantar e comer uma fruta de tarde. A base da minha alimentação não muda: carnes, ovos e vegetais. Salvo um dia ou outro que como bolo ou alguma besteirinha com meu marido, alimentação também virou algo que não negocio. Respeito as escolhas de todo mundo e espero que respeitem as minhas. Eu escolhi comer comida de verdade e acho que todo mundo em casa já entendeu e inclusive já adotou também.

Equilíbrio com as necessidades da família – por isso programo semana a semana. Não anoto nada, programo tudo na minha cabeça mesmo. Mas sabendo das atividades do meu marido e das necessidades das creyanças, desenho uma programação e tento segui-la ao máximo.

Não ficar pirando em metas – Acredito que nem sempre a meta é algo tangível. Se manter em movimento, produzindo antidepressivos naturais, cuidando do corpo e sentindo vento na cara são ótimas razões para fazer valer todo nosso esforço. Pode ser que nesse ano a grana esteja curta e não dê para fazer uma super maratona, e aí? Os objetivos tangíveis são importantes, mas os que a gente “não pode ver nem pegar” são ainda mais. Penso nisso quando não tenho nenhuma prova em vista ou quando estou sem vontade de competir. Foi isso que me moveu durante meu puerpério, principalmente e me levou a criar uma relação saudável e sem obrigações com a corrida. Às vezes a gente precisa de um tempo sem meta.

Como disse no começo, é difícil montar uma programação única, imutável e se prender à ela. A gente vive uma vida muito louca e sempre temos boas desculpas pra desistir de um treino ou de uma semana inteira, por isso trabalhar a flexibilidade é importante e nos ajuda muito na hora de criar os planos B, C e até D.

Mais importante do que tudo é não depender de ninguém para fazer suas coisas. Não depender de amigo, assessoria, permissão e nem nada de ninguém. Seja independente e confiante para comandar sua própria rotina.

Namastê!

1 comentário Adicione o seu

  1. Priscila disse:

    Adorei!!! Mto importante isso! Sigo parte do que vc faz e acredita tbem. Organização da semana. E musculacao no horário de almoço… c mta preguiça as vezes, mas sempre feliz de poder ter esse momento pra me cuidar e esquecer um pco da rotina pesada! Queria saber algo, sei q cada um tem sua individualidade e o que funciona pra cd um, mas pra vc, fazer jejum tds os dias como falou, significa que vc sai pra correr em jejum, e mesmo puxa ferro em jejum? Vc fica bem com isso? E no jejum, rola uns cafés e chas? Parabéns pelo posto e obrigada pelos incentivos

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.